Ano novo, vida nova?

Ano novo, vida nova?

Este é mais um clichê que a maioria das pessoas repetem ano após ano sem, porém, experimentarem as mudanças que sonham ou necessitam. É possível que este ano seja diferente? Não sabemos. Mas, uma coisa é certa: as mudanças acontecerão, independente de nós tentarmos ou não. E pior, nem sempre são para melhor.

O ano que passou provou, como nunca, que “Do homem são as preparações do coração, mas do Senhor a resposta da língua” (Provérbios 16.1). Nenhum planejador estratégico do mundo empresarial conseguiu prever o cenário que enfrentamos, nem mesmo depois de declarada a pandemia do coronavírus, arriscavam-se no mercado.

Os videntes de fim de ano acertaram que alguns artistas morreriam, mas não foram capazes de dizer como. Poderia ter sido um ano promissor para eles se tivessem revelado o que estava por vir como assolação do mundo, mas seus guias não foram capazes de tal proeza. Restou a frustração.

Não tenho a intenção de afrontar ninguém com estas palavras. São apenas constatações de que não podemos subestimar a natureza, tão pouco sermos arrogantes com uma visão antropocêntrica inabalável. A palavra de Deus nos adverte: “Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento” (Provérbios 3.5).

O ser humano é apenas um pequeno item da criação. Embora tenha sido feito à imagem e semelhança do Seu Criador (Gn 1.26,27), o homem pecou e foi destituído da glória de Deus (Rm 3.23), tornando-se um ser caído e sujeito ao caos resultante do pecado (Rm 8.19-22). Portanto, necessita de redenção, visto que não é autossuficiente.

Disto isto, é possível afirmar que não adianta virar a folha do calendário sem virar a página da nossa vida. As cores, as moedas, as festas ou simpatias são inúteis diante da impotência humana para redimir-se a si mesmo. É tempo de reconhecer nossas limitações e necessidades e buscar, sinceramente, Àquele que pode nos socorrer.

“Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto. Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar (Isaías 55.6,7). Eis aí a oportunidade de uma nova vida em um novo ano.

Artigo por Pr. Josué Lima
Pr. Josué é pastor na Igreja Cristã Pentecostal em Itaquera-SP

Deixe um comentário