Igreja Cristã Pentecostal

Category: Artigos

Heresias Modernas

Heresias Modernas

Texto Bíblico: 2 Crônicas 7:16.

Heresia: “Eu sou a igreja, não preciso estar na igreja”

 Introdução: As heresias começaram desde a fundação da Igreja, a maioria deles tiveram como autores os “membros” das igrejas e outras os que não faziam parte da igreja. Hoje em dia as heresias continuam sendo difundidas e se espalham mais rapidamente devido a velocidade dos meios de comunicação.

Nesta lição iremos falar sobre uma das heresias modernas que silenciosamente tem prejudicado muitos irmãos: A heresia de que não precisamos estar na igreja, porque a igreja somos nós.

Frases e declarações heréticas:

“A Igreja que tem dentro de você é maior do que a igreja que você assiste”.

“Você é a igreja por isso não precisa frequentar aos cultos”.

“Há nas igrejas muita hipocrisia, por isso seja crente em casa”.

“Sou mais crente estando em casa do que muitos que todos os dias estão na igreja”.

Devido ao mal testemunho de alguns crentes e pastores, muitas pessoas se acham no direito de criticar as igrejas e incentivar as pessoas a não participarem dos cultos. Esta heresia tem prejudicado a fé de muitos irmãos. Mas todos nós sabemos que o motivo não é o que as pessoas apresentam, a verdade é que o inimigo tem prejudicado a visão espiritual de muitos e também pelo fato de tais pessoas não desejarem uma libertação completa dos pecados. Achar uma desculpa é fácil, mas a verdade sempre será a vencedora e uma vida sem Deus vai querer ficar longe da igreja pois a igreja é a casa de Deus, coluna e baluarte da verdade. (1 Tm 3:5).

O que as Escrituras dizem sobre o lugar de adoração, onde o povo de Deus se reunia?

Nosso Deus diz:

“Agora estarão abertos os meus olhos e atentos os meus ouvidos à oração deste lugar”. 2 Crônicas 7:15.

“Porque agora escolhi e santifiquei esta casa, para que o meu nome esteja nela perpetuamente; e nela estarão fixos os meus olhos e o meu coração todos os dias.” 2 Crônicas 7:16.

“Também os levarei ao meu santo monte, e os alegrarei na minha casa de oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar; porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos”. Isaías 56:7.

O Senhor Jesus frequentava todos os dias o templo.

O Senhor Jesus, quando esteve neste mundo, Ele ia todos os dias ao templo. Esse exemplo é muito importante para aqueles que acham que não precisam de uma igreja. O próprio Deus chama o templo de minha casa, casa de oração.

“Tenho estado todos os dias convosco no templo, e não estendestes as mãos contra mim, mas esta é a vossa hora e o poder das trevas”. Lucas 22:53.

Se frequentar a igreja para cultuar e adorar ao Senhor não fosse importante o Senhor Jesus não teria ido todos os dias ao templo.

Homens de Deus disseram:

“Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei: que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor, e inquirir no seu templo.” Salmos 27:4.

“Porque vale mais um dia nos teus átrios do que mil. Preferiria estar à porta da casa do meu Deus, a habitar nas tendas dos ímpios”. Salmos 84:10.

“Quando me lembro disto, dentro de mim derramo a minha alma; pois eu havia ido com a multidão. Fui com eles à casa de Deus, com voz de alegria e louvor, com a multidão que festejava”. Salmos 42:4.

Os irmãos da igreja primitiva.

Ao contrário do que ensinam algumas igrejas, os irmãos frequentavam diariamente o templo, pois assim como fez o Senhor Jesus Cristo que quando esteve aqui na terra frequentava o templo e as sinagogas, os crentes da igreja primitiva também o faziam.

“E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração”, Atos 2:46.

“E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar, e de anunciar a Jesus Cristo”. Atos 5:42.

Porque o inimigo tenta atrapalhar a igreja organizada e conservadora?

A igreja organizada, que segue os padrões estabelecidos pelo Espírito Santo no Novo Testamento, tem sofrido ataques de pessoas que desejam uma igreja liberal, sem doutrina, sem princípios e sem disciplina, onde a desordem impere. Qual o objetivo em fazer parte de uma igreja não organizada? Por trás dessa falsa “liberdade”, existe a rebelião da criatura contra o Criador.

O inimigo não suporta a igreja, porque as portas do inferno não prevalecem contra ela.

O inimigo é derrotado pelas orações da igreja reunida.

O inimigo sabe que na igreja os irmãos são doutrinados e ensinados a temer e servir a Deus, e isso ele não aceita.

O inimigo odeia quando os crentes estão cantando louvores ao Senhor com toda a congregação.

O inimigo não gosta dos pastores e missionárias, pois estes servos e servas de Deus conduzem o rebanho de Deus até entregá-lo ao Redentor.

O inimigo se rebelou contra Deus e ele combate a igreja porque a igreja tem disciplina e educa os fiéis a servirem a Deus com fidelidade.

A Igreja não é nossa casa, é a casa de Deus.

Uma das heresias é dizer que a igreja é a nossa casa. Não é, a igreja é a casa do Senhor. Assim diz a Palavra de Deus.

O Senhor disse: “A minha casa”. A casa é Dele.

“Também os levarei ao meu santo monte, e os alegrarei na minha casa de oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar; porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos.” Isaías 56:7.

Deus disse: “Esta casa que se chama pelo meu nome”.

A casa de Deus. O templo é chamado pelo seu nome, por isso Ele diz: “esta casa que se chama pelo meu nome.

O Senhor Deus escolheu esta casa para Ele.

E o Senhor apareceu de noite a Salomão, e disse-lhe: Ouvi a tua oração, e escolhi para mim este lugar para casa de sacrifício. 2 Crônicas 7:12.

Conclusão:

Sabemos pela Palavra de Deus que o diabo persegue a igreja. Desde os tempos passados, o templo, o lugar onde o povo de Deus se reúne é perseguido. Em muitos países onde o cristianismo não é permitido, os governantes mandam destruir templos.

A igreja é o lugar onde nos reunimos para cultuar o nosso Deus. O Senhor Deus instituiu o templo como lugar de oração. Na igreja quando estamos reunidos aprendemos a Palavra de Deus.

Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei: que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor, e inquirir no seu templo. Salmos 27:4.

Mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade. 1 Timóteo 3:15.

 A igreja são os crentes reunidos, mas o templo é a casa de Deus onde o povo de Deus se reúne. Não pode uma pessoa dizer que é crente e ao mesmo tempo falar que não precisa frequentar a igreja. Como podemos chamar nosso Deus de Pai, se não amamos estar em sua casa?

Se estar na igreja (templo) não fosse importante, o Senhor Jesus Cristo quando esteve aqui na terra não teria ido todos os dias ao templo.

Vamos à igreja povo de Deus. Vamos levar as multidões a casa de Deus. Amém.

Noé – Oito Sobreviveram.

A despeito da ausência de aparelhagens meteorológicas sofisticadas, o Dilúvio dos tempos de Noé não veio sem aviso. Deus revelou Seu plano de um juízo global catastrófico aproximadamente um milênio antes a Enoque, que deu a seu filho o nome de Metusalém para celebrar a memorável revelação. O nome Metusalém transmite um mau presságio e significa literalmente, “Quando ele morrer, isso será enviado”.[1] Não é por coincidência que Metusalém morreu apenas alguns meses antes do grande Dilúvio e que sua vida seja a mais longa registrada em toda a história.

Desde o tempo da expulsão de Adão e Eva do jardim do Éden até o Dilúvio, houve uma determinação cada vez maior por parte da humanidade em desafiar os preceitos de Deus:

A maldade do homem se havia multiplicado na terra e […] era continuamente mau todo desígnio do seu coração. […] Todo ser vivente havia corrompido o seu caminho na terra” (Gn 6.5,12).

A humanidade não estava apenas corrompida, mas era cheia de violência; o mundo estava pronto para o juízo (v.11). E, embora Deus tenha suspendido a execução da raça humana por muitos anos, Ele finalmente cumpriu o que havia prometido.

Além da rebelião humana coletiva contra Deus, muitos estudiosos da Bíblia crêem que também houve rebelião dos anjos. Embora haja outras interpretações para Gênesis 6.4, uma visão bastante respeitada é que alguns anjos caídos deixaram sua habitação normal, escolheram viver no âmbito físico e coabitaram com mulheres terrenas [veja também Jd 6-7]. Essas uniões produziram “valentes, varões de renome”, ou descendentes super-humanos que podem ter sido a origem de mitologias e lendas antigas.

Como apenas seres humanos podem ser redimidos, o objetivo provável desses anjos caídos era saturar toda a raça humana com uma linhagem demoníaca, tornando impossível a salvação da humanidade.[2] O plano redentor para a humanidade precisava eliminar um mundo corrompido pelo cruzamento com demônios, pela maldade e violência desenfreadas. Por isso, Deus anunciou: “Resolvi dar cabo de toda carne […] eis que os farei perecer juntamente com a terra” (Gn 6.13).

Em preparação para o Dilúvio, Deus ordenou que ele construísse uma arca de refúgio (v.14). Assim que foi terminada, a arca era um sinal de juízo iminente, uma vez que Noé continuava pregando para um mundo que não se arrependia.

Deus preveniu a humanidade por meio de uma família de profetas começando com Enoque; depois, o filho de Enoque, Metusalém; o neto, Lameque; e finalmente, o bisneto, Noé. Noé pregou sobre a vinda do julgamento global a uma geração cada vez mais perversa. Em preparação para o Dilúvio, Deus ordenou que ele construísse uma arca de refúgio (v.14). Assim que foi terminada, a arca era um sinal de juízo iminente, uma vez que Noé continuava pregando para um mundo que não se arrependia.

Então, “aos dezessete dias do segundo mês [no ano em que Metusalém morreu],[3]nesse dia romperam-se todas as fontes do grande abismo, e as comportas dos céus se abriram” (Gn 7.11).

Horríveis Geysers de Água e Gás

O juízo profetizado veio com a força de um tsunami. Pesquisadores que estudam catastrófes em placas tectônicas apresentam um modelo de Dilúvio que é nada menos que medonho. Eles sugerem um cenário aterrador, começando com terremotos que agitaram o planeta à medida que as placas pré-diluvinas do fundo oceânico se soltaram e rapidamente afundaram em direção ao centro da Terra. Placas continentais foram velozmente tragadas para dentro dessas “zonas de subdução”, como tapetes gigantes que estavam sendo arrancados de debaixo dos habitantes da Terra.[4]

As pancadas da crosta continental nas placas oceânicas causaram um levantamento do fundo oceânico, deslocando enormes quantidades de água dos mares do mundo para cima de terras secas. Um cientista estima um aumento no nível do mar “de mais de um quilômetro a partir apenas desse mecanismo”.[5]

Materiais derretidos escorrendo através de fissuras que iam avançando vaporizaram os oceanos e aqueceram os reservatórios subterrâneos, criando geysers lineares de água e gases quentes de milhares de quilômetros de extensão. À medida que esses gases e vapores esfriaram, eles condensaram, fornecendo a fonte principal das chuvas torrenciais durante os primeiros 40 dias e noites do grande Dilúvio.[6]

Exclusiva do mundo antediluviano era a abóbada de água-vapor que cobria a Terra e que criou o efeito-estufa que regulava as temperaturas globais. Os eventos destrutivos que se desenrolaram sobre o planeta fizeram desmoronar essa abóbada que os cientistas criacionistas estimam que continha o equivalente a alguns centímetros até 12 metros de água. Em pouco mais de um mês, a água cobriu cada centímetro do globo com 15 côvados (aproximadamente 6,60 metros) acima do ponto mais elevado da terra (Gn 7.20).

Pelo Menos 235 Milhões Morreram

Deus tinha anunciado: “Estou para derramar águas em dilúvio sobre a terra para consumir toda carne em que há fôlego de vida debaixo dos céus; tudo o que há na terra perecerá” (Gn 6.17). A Bíblia registra: “Pereceu toda carne que se movia sobre a terra […] foram exterminados todos os seres que havia sobre a face da terra” (Gn 7.21,23).

O grande Dilúvio destruiu uma população global estimada em pelo menos 235 milhões de pessoas, de acordo com o Dr. Henry M. Morris. Segundo esse autor, “mais de 3 bilhões de pessoas poderiam facilmente estar na terra nos tempos de Noé”.[7] A não ser por Noé e sua família, toda a humanidade pereceu.

Ainda que o grande Dilúvio seja uma demonstração sem precedentes do juízo de Deus, ele também é um testemunho de Sua graça, disponível para todos que a aceitam.

O Dilúvio foi um julgamento destruidor terrível sem paralelos na história. O fato de que grupos de pessoas de todas as regiões do globo conservem uma “tradição de Dilúvio” não apenas reforça a historicidade, mas também estabelece uma conexão de ancestralidade comum com aqueles que realmente experimentaram o evento.[8] As milhares de histórias folclóricas de um dilúvio global em si já corroboram o relato de Gênesis.

A etimologia do nome de Noé e as palavras associadas com o Dilúvio também apresentam um vínculo intrigante com as oito pessoas que sobreviveram na arca que repousou sobre as montanhas de Ararate. Com os fatos horríveis gravados indelevelmente em suas memórias, essas oito pessoas saíram da arca para repovoar a terra, gravando a experiência de sua sobrevivência nas mentes de seus descendentes.

A rebelião aberta contra Deus acompanhada pela depravação completa do mundo antediluviano precipitaram a subseqüente destruição de quase toda a carne por parte de Deus. Embora Sua promessa de um juízo global não tenha sido cumprida imediatamente, ela finalmente o foi; e apenas oito almas que atenderam a admoestação de Deus sobreviveram.

Ainda que o grande Dilúvio seja uma demonstração sem precedentes do juízo de Deus, ele também é um testemunho de Sua graça, disponível para todos que a aceitam. (Charles E. McCracken – Israel My Glory – http://www.chamada.com.br)

Notas:

  1. Henry M. Morris, The Genesis Record (Grand Rapids: Baker Book House, 1976), 159-160.
  2. Renald Showers, Those Invisible Spirits Called Angels (Bellmawr, NJ: The Friends of Israel Gospel Ministry, Inc., 1997), 105.
  3. James Ussher, Annals of the World (Green Forest, AR: Master Books, 2003), 19.
  4. Steven A. Austin, D. Russell Humphreys, Larry Vardiman, John Baumgardner, Andrew A. Snelling, e Kurt P. Wise, Catastrophic Plate Tectonics: A Global Food Model of Earth History, Institute for Creation Research, 1994 icr.org/research/index/reseachp–as–platetectonicsl/.
  5. Ibid.
  6. Ibid.
  7. Henry M. Morris, “Babel and the World Population Biblical Demography and Linguistics”, de Henry M. Morris, The Biblical Basis for Modern Science (Grand Rapids: Baker Books, 1984), ldolphin.org/morris.html.
  8. John D. Morris, Why Does Nearly Every Culture Have a Tradition of a Global Flood?Institute for Creation Research icr.org/article/570/.
Charles E. McCracken é diretor de The Friends of Israel para o Canadá, em Brampton, Ontário.

Revelações Sobre o Céu

nastol.com.ua-983[dropcap]V[/dropcap]ocê já deve ter ouvido falar muitas vezes sobre o céu. Devemos sempre ter em mente que nunca é demais estudar sobre o lugar onde iremos morar eternamente. Agora vamos conhecer novas coisas sobre o céu, reveladas pela Palavra de Deus. Vale dizer que não precisa ninguém ir aos céus para nos dizer como é lá, porque a Palavra de Deus nos diz tudo o que precisamos saber sobre ele. Quem nos deu a revelação sobre o Céu foi o seu Criador, o Senhor Jesus Cristo.

Quando Deus criou os céus?
A Palavra de Deus nos diz que os céus foram criados no princípio. Gen 1:1 – NO princípio criou Deus os céus e a terra. Gen 2:4 -Estas são as origens dos céus e da terra, quando foram criados; no dia em que o Senhor Deus fez a terra e os céus.
Porque a Palavra de Deus chama Céus e não céu?
Como podemos notar a palavra está no plural. O motivo pelo qual é chamada de ‘céus’ é porque existem mais de um céu. Vamos ler a Palavra de Deus e entender melhor.
Onde ficam o primeiro e o segundo céu?
Pela ordem primeiro, segundo e terceiro, fica fácil entender que o primeiro céu é este que avistamos, podemos contemplar as nuvens, e toda a beleza criada por Deus. Sal 19:1 – OS céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.
[pullquote_right]O segundo céu é o espaço interestelar, onde habitam os seres espirituais, mencionados na Palavra de Deus[/pullquote_right]
Efe 6:12 – Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.

O Apóstolo Paulo é levado ao Terceiro Céu. Vamos entender sobre o terceiro céu: 2Co 12:2 – Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu. 2Co 12:4 – Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar.
[quote]O Terceiro Céu é onde habita Deus. Devemos notar que Paulo diz que foi arrebatado ao paraíso. O paraíso é o lugar onde o Senhor Jesus disse que estaria no dia em que Ele morreu por nossos pecados. [/quote]Luc 23:43 – E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.

Cidade CelestialNOSSA CIDADE ESTÁ NOS CÉUS:

Flp 3:20 – Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo,
A cidade é de ouro puro:
Apo 21:18 – E a construção do seu muro era de jaspe, e a cidade de ouro puro, semelhante a vidro puro.
A cidade não tem Templo:
Apo 21:22 – E nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro.
A cidade não precisa de luz:
Apo 22:5 – E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os ilumina; e reinarão para todo o sempre.
Na cidade veremos o rosto do Senhor Jesus Cristo:
Apo 22:4 – E verão o seu rosto, e nas suas testas estará o seu nome.
Na cidade estará o Trono de Deus e do Cordeiro:
Apo 22:3 – E ali nunca mais haverá maldição contra alguém; e nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão.
O céu é morada dos anjos:
Mat 22:30 – Porque na ressurreição nem casam nem são dados em casamento; mas serão como os anjos de Deus no céu.

[dropcap]Aplicação[/dropcap]
Nos dias de hoje todos estão correndo em busca de alguma coisa, ou de como melhorar a vida aqui na terra. Devemos pensar em primeiro lugar no céu, no reino de Deus, para que a nossa eternidade seja abençoada na morada que o Senhor Jesus preparou para os que O aceitaram.