Igreja Cristã Pentecostal

Category: Mundo Cristão

O caos da intolerância

O caos da intolerância

O crente no Senhor Jesus Cristo sabe que não é deste mundo. Porém, muitos cristãos ainda vivem em uma bolha imaginária como se não tivessem responsabilidades com a sociedade em que vivem e isso é muito conveniente para o reino das trevas. O objetivo deste texto é provocar os leitores a uma reflexão sobre o seu papel enquanto discípulo de Cristo na atual sociedade.

Domingo, 19 de outubro, a América Latina alvoroçou-se com cenas de igrejas chilenas em chamas. As imagens que correram o mundo mostram os incendiários anticristãos comemorando, além de pichações que incentivam a violência e intolerância religiosa como: “muerte al Nazareno”. Uma realidade vivida diariamente pelos nossos irmãos orientais que surpreendeu, inexplicavelmente – pois não devia -, o Ocidente. Mas, e eu com isso?

O Brasil vive um momento ímpar, uma efervescência daquelas que levam ao menos uma década para se repetir. Chamam de conjuntura, ruptura, polarização e outros nomes difíceis de serem lembrados. No entanto, não é só aqui. Às vezes, estamos mergulhados em nós mesmos e não nos damos conta de que o mundo está vivendo grandes transformações. E o avanço da internet e o fenômeno das redes sociais tem funcionado como catalizadores dessas mudanças.

O Chile está inserido nesse contexto, mas, o processo não começou agora. Segundo o site de notícias da CNN Brasil, milhares de pessoas ficaram feridas e mais de 30 já morreram em protestos naquele país desde outubro de 2019. Neste ínterim, já ouvimos diversas tentativas de leitura do que está acontecendo por lá, inclusive, pronunciamento político-ideológico de brasileiros dizendo que deveria se fazer no Brasil o mesmo que alguns chilenos estão fazendo.

São os sacerdotes do caos. Há quem acredite que este seja a primeira entidade divina a surgir no universo, uma força antiga e obscura que manifesta a vida por meio da cisão dos elementos. Esse conceito sofreu muitas mudanças ao longo dos séculos, mas segundo R. J. Rushdoony (A política da pornografia), permanece a crença de que “o caos é sempre fértil, eternamente potente, e quando a ordem e a maturidade tornam-se muito acentuadas numa cultura, faz-se necessário um retorno ao caos revitalizante”.

Com a ascensão do iluminismo, emergiu, à sombra das ciências humanas, a subversão travestida de liberdade. Depois, o século XX testemunhou uma grande ênfase no primitivismo nas artes, bem como na cultura em geral. A busca pela satisfação dos desejos mais primitivos, o retorno ao misticismo e o sincretismo religioso imprimiu uma nova imagem em nossa sociedade. Não do seu Criador, e sim, da criatura. Mas, para isto, faz-se necessária “A morte de Deus”. Por isso, as igrejas queimadas e as palavras de ordem contra Jesus de Nazaré e seus seguidores.

Os dicionários de português definem a palavra tolerância como “o ato de tolerar, aceitar ou suportar”. Esta é uma palavra que está em alta no Brasil e é garantida pela nossa Constituição Federal nos mais diversos aspectos da vida. Porém, os mais barulhentos invocadores deste direito veem apenas uma via para usá-la: a que melhor lhes convém.

Somos um país fragmentado: diversidade religiosa, indefinição política e inumeráveis grupos sociais compõem uma nação vítima do abuso de poder político e econômico. Um povo refém de supostos defensores das minorias, mas, seus objetivos são manobrar as grandes massas a fim de levarem adiante suas pautas progressistas, corruptas e imorais. Ameaçam famílias e instituições religiosas, intimidam e assassinam a reputação de quem se opõem às suas ideias. E, a pior parte, contam com apoio de muitos parlamentares e até de alguns membros do judiciário.

Mas, e eu com isso? Esse cenário de caos ameaça as verdadeiras liberdades e tentam silenciar os embaixadores de Cristo, que já morreu, mas ressuscitou com poder e glória. É, portanto, uma guerra espiritual no mundo material, cujo objetivo é implantar ditaduras ideológicas e alargar os limites do reino das trevas. Estamos todos envolvidos nesta guerra, mas o que fazer?

Ore pela nação

Os judeus foram levados cativos para a Babilônia, o que era um motivo aparentemente justo para odiarem seus opressores, mas leia o conselho que Deus lhes deu: Jeremias 29.7 – E procurai a paz da cidade, para onde vos fiz transportar em cativeiro, e orai por ela ao Senhor; porque na sua paz vós tereis paz.

Exerça a cidadania

A começar pelo voto consciente. Amizade, popularidade ou mesmo promessa de emprego não podem ser critérios para a eleição de um candidato. Entregamos a eles o poder de decidir por nós. Novas leis, modelo de educação e demais políticas públicas impactam diretamente nossas vidas e o eleito precisa ter competência e idoneidade que garantam o mínimo de liberdade para vivermos nossas crenças.

Faça sua parte

“Mas, todo mundo faz isso”. Esta é uma afirmação que ouvimos constantemente quando se trata de pequenos delitos ou “pecadinhos”. Mas, é nosso dever como crentes ter um espírito excelente: Daniel 6.4 – Então os presidentes e os príncipes procuravam achar ocasião contra Daniel a respeito do reino; mas não podiam achar ocasião ou culpa alguma; porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum erro nem culpa. 5 – Então estes homens disseram: Nunca acharemos ocasião alguma contra este Daniel, se não a acharmos contra ele na lei do seu Deus.

Os servos de Deus precisam refletir sobre a influência que exercem neste mundo, apesar de não serem daqui. O Senhor Jesus orou por seus discípulos pedindo ao Pai que os livrasse do mal, mas não que os tirasse do mundo. Caros, leitores, temos uma missão aqui e agora: representar o Reino de Deus contra este mundo que jaz no maligno. Façamos enquanto há tempo.

Cristãos egípcios comemoram a queda de Morsi

Com a queda do regime islâmico no Egito os cristãos estão tentando uma reconciliação. O golpe militar derrubou o então presidente Mohamed Morsi, despojando o islamitas do poder político.

Os cristãos coptas comemoraram o fim do regime de Morsi, mas em carta mostraram compaixão com os muçulmanos que foram derrotados pelo golpe. “Sentimos a dor dos que se consideram derrotados e que agora temem a marginalização e alienação”, escreveu o arcebispo Angaelos, representante da Igreja Copta Ortodoxa no Reino Unido.

O bispo afirmou que este sentimento de derrota já foi sentido pelos cristãos egípcios por diversas vezes nos últimos séculos e que agora a população precisa se unir e pensar em um futuro diferente.
“Precisamos agora é de encontrar uma forma de acolher estes importantes membros da comunidade, bem como todos os egípcios, confirmando que o único caminho é o de reconciliação e unidade”.

Angaelos também escrevendo pedindo paz, para que cessem os conflitos entre muçulmanos e cristãos. “Rezamos para que não se derrame mais sangue, não haja mais luto nas famílias ou comunidades, nem mais violência e que a cooperação e colaboração se tornem princípios fundamentais ao longo deste processo formativo”, disse.

Antes da divulgação da carta, pelo menos uma igreja copta foi incendiada por islamitas enfurecidos. O ataque aconteceu na aldeia de Delgia que fica a 60 quilômetros de Mynia. No Egito os cristão são minoria religiosa, tendo 10 milhões de fiéis. A quantidade de cristãos no Egito é a maior em todo o Oriente Médio.

Fonte: Renascença

Mensagem bíblica é revelada pelo Google Earth.

O inglês Peter Gunner é um cristão dedicado. Mais de 20 anos atrás, ele teve a ideia de criar um “labirinto de árvores” que, visto de cima, lembrasse as palavras de Jesus.

Ele escolheu o texto de João 14:6 [Jesus disse: Eu sou o caminho, a verdade e a vida] e simulou no computador como faria a plantação das mudas da árvore. Decidiu dar destaque para a palavra ‘Jesus’ e abreviar os artigos em inglês “the” [o/a].
Cuidadosamente, plantou milhares de salgueiros em um campo de sete hectares, com a ajuda de alguns voluntários. As plantas foram crescendo ao longo dos anos e ele as podou cuidadosamente para que a mensagem continuasse clara.

Em tempos de internet, o esforço deste pai de cinco filhos não passou despercebido. Antes apenas os pilotos de aviões que voavam sobre sua propriedade na região de Sussex podiam ver. Mas nas últimas semanas tonou-se mais uma das “atrações” do programa Google Earth.

Em entrevista ao Daily Mail, ele explica “De certa forma, este labirinto é muito parecido com a vida, ninguém consegue ver o todo enquanto anda por ele. Você pode caminhar pela estrada da vida e tudo parece confuso quando, na verdade, só faz sentido se visto de uma perspectiva diferente.”

Gunner conta que só viu as palavras de cima em 2005, quando um vizinho que é policial deu-lhe uma foto tirada de um helicóptero.

“Há algumas coisas que eu faria diferente, alguns ajustes, mas no geral estou feliz com isso”, comemora.

Ele gosta de levar os amigos e pessoas da sua igreja local para andar pelo labirinto, mas ressalta “Toda vez que vejo um avião passar por aqui, olho para ele e faço uma oração. Espero que a pessoa que esteja vendo o labirinto seja inspirada pela mensagem.”

Confira o mapa 

Fonte: Gospel Prime

Descoberta arqueológica pode solucionar “enigma” bíblico.

Achados arqueológicos recentes podem comprovar que a cidade de Siló, antiga capital de Israel, foi destruída por um grande incêndio. Essas descobertas na região central de Israel desvendariam o mistério envolvendo a ruína dessa cidade mencionada no Antigo Testamento.

Fragmentos de um jarro de barro foram descobertos em meio a uma camada de cinzas avermelhadas. Esse é um forte indício para resolver definitivamente o enigma milenar sobre como a cidade foi destruída. Em Siló, o Tabernáculo foi colocado durante o período conhecido como “dos juízes”. O local serviu como capital de Israel e centro espiritual por 369 anos, até a sua destruição.
Após ser saqueada pelos filisteus deixou de ser a capital. A área continuou sendo habitada até 722 a.C., quando a Assíria invadiu o Reino de Israel. Atualmente, na região fica a cidade de Rosh Ha’ayin.

As Escrituras não relatam como foi o fim de Siló, mas essas descobertas comprovam que um incêndio arrasou o local. A datação do jarro aponta para o ano 1.050 A.C., que coincide com a data dos eventos descritos no livro de Samuel.
Avital Selah, diretor do sitio arqueológico de Tel Siló, disse à Agência de Notícias Tazpit que as teorias levantadas durante a escavação são semelhantes ao que se cogitou 30 anos atrás, quando restos de comida descobertos no local também apontavam para o ano 1.050 aC.

O livro bíblico de 1 Samuel narra a batalha entre filisteus e israelitas, quando a Arca da Aliança foi capturada. O livro de Jeremias e alguns Salmos confirmam que Siló foi destruída pouco depois pelos filisteus. Os estudos dos arqueólogos devem ser publicados em breve comprovando como aconteceu e pondo fim ao mistério milenar.

Com informações Huffington Post e Israel National News, como visto em Gospel Prime.