Conselhos infernais

Conselhos infernais

Quero começar o texto desta semana fazendo uma pergunta: você aceita um conselho do Diabo? Ao ler a epístola de Paulo aos Efésios, encontramos no capítulo 4, versículo 27, as seguintes palavras: “Não deis lugar ao diabo”. Estas palavras foram escritas a mais de dois mil anos. Será que elas ainda têm relevância atualmente?

A época em que estamos vivendo é pautada, a maior parte do tempo, em comentários de bancadas de fofocas, travestidos de jornalismo com aparente defesa da liberdade de expressão, mas, no fundo, só querem impor suas opiniões, principalmente quando o assunto envolve o povo de Deus.

É comum personalidades da TV e/ou da internet se pronunciarem sobre assuntos religiosos e uma grande massa de pessoas reproduzirem suas falas – muitas vezes, fora de contexto – sem pensarem nas consequências. Até alguns que se dizem crentes fazem isso quando tais palavras ratificam suas opiniões em um dado momento, mesmo que não haja respaldo bíblico. Será esta uma decisão sábia?

A palavra de Deus narra acontecimentos em que espíritos malignos tiveram permissão para enganar pessoas a respeito de suas decisões. Neste artigo, vamos refletir à luz da Bíblia a fim de encontramos alguma resposta para a pergunta acima.

A morte do rei Acabe

Acabe foi um dos piores reis que governou Israel. Sua idolatria e feitiçaria eram sem precedentes. Em sua rebelião contra Deus, foi diversas vezes exortado pelos profetas para que se arrependesse de seus pecados, mas ele nunca deu ouvidos.

E aconteceu que ele resolveu começar uma guerra contra os Sírios, inimigos de longa data dos israelitas. E o Senhor usou esta guerra para destruí-lo de uma forma inusitada. Um espírito maligno se propôs a usar profetas para mentirem ao rei sobre a guerra e ele acreditou:

1 Reis 22

19 Então ele disse: Ouve, pois, a palavra do Senhor: Vi ao Senhor assentado sobre o seu trono, e todo o exército do céu estava junto a ele, à sua mão direita e à sua esquerda. 20 E disse o Senhor: Quem induzirá Acabe, para que suba, e caia em Ramote de Gileade? E um dizia desta maneira e outro de outra. 21 Então saiu um espírito, e se apresentou diante do Senhor, e disse: Eu o induzirei. E o Senhor lhe disse: Com quê? 22 E disse ele: Eu sairei, e serei um espírito de mentira na boca de todos os seus profetas. E ele disse: Tu o induzirás, e ainda prevalecerás; sai e faze assim.

Ao ler essas palavras, você pode perguntar: mas porque Deus permitiu tal coisa?

Ora, caro leitor, se você ler todo o capítulo vai descobrir que Acabe não era inocente, pois já havia cometido diversas atrocidades. E o salário do pecado é a morte. Mesmo assim, ainda houve um profeta de Deus que foi lá, enfrentou a mentira dos falsos profetas e avisou o rei sobre a cilada.

Sim, eram cerca de quatrocentos falsos profetas que sempre diziam o que o rei gostava de ouvi, mas nesse dia eles não estavam apenas bajulando ao rei, eles foram usados por um espírito maligno para levar o rei e seus soldados direto para a morte.

Refletindo nestes acontecimentos, podemos perceber que o inimigo de nossas almas está constantemente tentando contra nossas vidas e a mentira é a sua principal forma de trabalho. Mesmo o Senhor revelando pelo seu profeta o que estava acontecendo, Acabe não acreditou e preferiu o conselho do inferno que o levou à morte.

O crente no Senhor Jesus Cristo também precisa estar atento às supostas revelações e conselhos que recebe diariamente; precisa orar buscando o discernimento espiritual para não cair na armadilha de crer apenas naquilo que é conveniente. Porque se ouvirmos os conselhos infernais e os levarmos adiante certamente cairemos em condenação e só nos restará o inferno.

Artigo por Pr. Josué Lima
Pr. Josué é pastor na Igreja Cristã Pentecostal em Itaquera-SP

Deixe um comentário